Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Entertainment’ Category

Disse recentemente o “Eng.” José Não-Estou-Disponível-Para-Governar-Com-o-FMI Sócrates:

«Não tenho respeito por aqueles que um dia dizem uma coisa e, passado uns meses, dizem outra»

Um falso homem mas um verdadeiro palhaço.

Anúncios

Read Full Post »

rcl

 

by ONE Whose Number is 777 Frater Achad

 

 

Wherein. under the form of an admonition to an Adeptus Minor of the R.R. et A.C., is disclosed the true Symbolism of the Rosy Cross for the en-lightenment of those who are worthy of the same.

 

 

MARK WELL, O my Son, and give heed unto this my counsel and advice, O thou who hast for the first time this day beheld the Mysteries of the Redde Rose whereon sparkleth the Dew, and  of the Golden Cross from which cometh the Light of the World. Is not this Symbol to be  found  upon the breast of all true Brethren of the Rosie Cross? Hold fast to this Jewel and treasure it as thy Life itself, for many  and great are its virtues, and of these will I now discourse unto you in part.

 

Know then, O my Son, that there be many Crosses and that  the Symbolism of these varieth according to the Art of the Wise which giveth them due Proportion; so, too, are  to be found Roses whose Petals signifie a Five-fold,  and  a Twenty-two-fold,  and a Forty-nine-fold Order. These, again,  may seem to be united or divided, in whole or in part; yet each Symbol concealeth its aspect of the One Secret most  perfectly, according to the Understanding of the true Seeker after L.V.X.

 

It would seem in these latter days that the true Light hath  been much darkened and obscured, so that even the most ignorant imposters, having heard our motto "Omnia ab Uno," which signifieth how All cometh from the One, have thought that all Roses and all Crosses be alike and of equal virtue; yet herein they err gravely, which error hath become apparent in the strange confusion which at this time prevaileth, so that their words have become as a Babel, even as it was of old time to the great hurt of the human race.

 

And even though our Father, Christian Rosencreutz, and our Antient Brethren his heirs and successors, did much to restore the Order  of  the Universe and the Power of the Word therein,  yet  such  is the Darkness in which men live, and such the confusion that is now upon us, that it were indeed time that the true Brothers should again extend the  Light  of  the Cross, if-so-be a spark of the true Fire yet burns brightly within them.

Unto you, O my Son, in whom that Fire burns, I  would  be  as  a bellows to fan the Flame into a great burning which shall illume the Darkness wherein thou walkest; so that from a flickering rushlight thou mayest become as a Lamp of Pure Oil,  and that thy Lamp may  shine  forth  as  an Ever-burning Star of Hope to thy fellow men.

 

For this reason will I discourse unto you, not of the Cross of Suffering to which thou wert bound and upon which thou tookest thine obligation on behalf of the Universe—that Obligation,  every Clause of which contained a Secret reference to the Holy Sephiroth,  the Emanations of the One from Whom cometh All—but rather of that great and complete Symbol of the Rose and Cross concealed within thy breast, upon the back of which is engraved  "Magister Iesus Christus_Deus est Homo_Benedictus Dominus Deus Noster qui dedit nobis Signum" and thy Mystic Name as Fra:. R.R. et A.C.

 

But it is of the face of the Cross that I would  chiefly  discourse unto thee, for, wearing it upon thy breast, thou art become as the Sun who seeth not His own Face, yet giveth the Light of His Countenance  to  the Just and to the Unjust with equal Love and Blessing.

 

What is it, then, that I see upon thy breast, O my Son?

 

In the Centre of All is  a  Single  Point  of  Light  whose  Starry Brilliance blinds these eyes, for it is even as Hadit,  Thy Secret Self at the Centre of thy Being.  It is Unique,  Thy One Secret which thou sharest with the One, not the Many.  It is Thy True Name,  the Word which  brought Thee into Being, whose Echo thou art, and will be to the End. This I know, for such a Word and such a Light dwelleth in Me, and I in Him.  It is also that Word which is writ in the  White Cubic Stone,  but  for  each  it  is different, and no man may know It but he who possesses It.

 

Around, and Illumined by that Central Light,  is a Rose of  Five Petals. It is the Star of Unconquered Will, the Will of the One Light and Word of thy Being as it comes into Manifestation in Matter. It is the Sign of Man, the Microcosm, who mirrors through his Five Senses, the Great Rose of Creation.  This Rose lives indeed,  and  the  Green barbs,  which  have opened to display it,  are still bright with colour as they extend in Four Directions, each harmonizing and bringing to a point Two of the  Elements from which thou wast made.

This Rose sparkles upon a  Cross  of  Gold,  and  though  crucified thereon, to it Glory and Suffering are identical.  This Cross  is  of  Six Squares, an Unfolded Cube;  it is that same White Stone wherein  the  True Name was Concealed, yet opened as a Cross in order that it may be known as a Living Stone,  displaying the Secret of Life Itself.  With its  Arms  it showeth forth the L.V.X. which is the Light of  the Cross;  its  sacrifice discloseth the Rose of Love,  and this supreme act of revealment declareth its own essential Liberty.  Thus we find Light, Life, Love and  Liberty in the very Heart of Man, while concealed behind all are the words:  Deus est Homo.

 

This, O my Son, I behold On the Centre of thy Jewel,  but  even as thou art but a tiny image concealed within the Heart of  a  Greater  Rose, wherein it flashes forth as a gleam of Red Gold.

 

Thou rememberest, O my Son, when thou wast within the Sacred Vault, which is to be found within the Mountain of A:._that Vault of Seven Sides of which showeth forth the Colour of one of the Great Planetary  Intelli-gences?  Never wilt thou forget that LIGHT which is the Great  Mystery of the Ceiling of the Vault, even  though, Ages hence, the Darkness of the Floor may be obliterated from thy memory when the Light has completed  Its Work.

 

Dost thou remember how, touching with the Wand the Rose  and  Cross upon the breast of the form in the Pastos, thou wert prompted to say  "Out of the darkness let the light arise"?  And how a Voice  from  the  still figure within, replied: "Buried with  that  LIGHT  in  a  mystical  Death, rising again in a mystical resurrection, Cleansed and Purified through him our MASTER, O Brother of the Cross of the Rose!  Like him, O Adepts of all ages, have ye toiled; like him have ye suffered Tribulation. Poverty, Torture,  and Death have ye passed through. They have been but the purification of the Gold."

 

"In the Alembic of thine Heart,

Through the Athanor of Affliction,

Seek thou the true stone of the Wise."

 

Hast thou not found such a Stone concealed in the Heart of the Rose of Creation? Is not that Stone Thyself? Never again wilt thou be "Shut up" for the Rose of Thy Being has opened, and Thy prison  has been exchanged for a Cross. But in this transition  "That which is below has become like unto that which is above" and that which is within seeth  Itself in that which is without. Thus there is Beauty and  Harmony in  this  Degree of Adeptship.

 

But though thou mayest know the Word of this Grade and the Formulae thereof,  thou hast yet to Overcome many difficulties e’er thou art Master of the Temple of the Universe. Around thee I see the First Three Petals of the Greater Rose,  forming an upright Triangle upon which are  the  Sacred Letters Aleph (A),  Men (M) and Shin (Sh),  each shining upon a petal of a different Colour_Yellow, Blue, and Red. As thou hast already been taught, these are the Three Mother Letters of  the  Sacred  Hebrew  Alphabet,  the Letters of the Three Elements, of which the Fourth, or Earth, is the ad-mixture. Thou must master the Elements, O my Son! These are to be found in the Cross of thine own being, and thou already learned to  "Establish thy-self firmly in the equilibrium of forces,  in the centre of the Cross of the Elements, that Cross from whose Centre the Creative Word issued in the birth of the dawning Universe." Thou has learned to be  "Prompt and active as the Sylphs, but to avoid frivolity and caprice;  to be energetic and strong like the Salamanders, but to avoid irritibility and ferocity; to be flexible and attentive to images like the Undines, but to avoid  idleness and changeability;  to be laborious and patient like the Gnomes, but to avoid grossness and avarice."  Thou must not forget these early lessons in thy search after greater ones.

 

Seven other Petals encircle these Three, each again shines forth in its true Colour, forming the Rainbow of Promise; but of Promise fulfilled, since the Circle is Complete.  Upon  each  Petal  appears  another  Sacred Letter, the Letters of the Seven Planets,  those great  Elementary  Rulers whose Influence  is ever-present and whose Aid  and  Co-operation  of  the Great Celestial Intelligences. Who, through thine own Holy Guardian Angel, are ever ready and willing to lend thee of their Wisdom and  Power. These are the Rulers of the Sephiroth below Chokmah and above Malkuth, according to the Plan of the Minutum Mundum which thou saw’st upon the  small  altar within the Vault of Initiation.

 

Yet again, surrounding these Seven, are  twelve outermost Petals, engraved with the Simple Letters of the Twelve Signs of the  Zodiac, the Sphere of the Fixed Stars. Each has its appropriate Colour, and all may be recomposed into the White Light of the Centre. In the Outer these Colours mix and form the Grey of the Sphere of Chokmah, which is ever the balance of Black and White; but Within, the Great Star Universe is  focused upon that Central Point, which is Everywhere, since the circumference of the Infinite Rose is Nowhere. This Centre is the Kether of the Whole Scheme, for "Deus est Homo."

 

Thus, O my Son, have I drawn for thee the Great Rose of Two-and-twenty Petals, the Two-and-twenty Letters of the Holy Alphabet from which may be formed all Words, sacred and profane. These are united  and  bound together in such a manner that the Sigils of the Angels may be drawn therefrom, but of this I may not speak more plainly, for it is thy task to discover and use them. And the Influence of the Rose is that MEZLA  which is the Influence from the Crown, and this descendeth like Dew upon the Rose, even as it Uniteth the Sephiroth of the Tree of Life. This Tree is itself formed as an Ankh, which is but a form of the Rose and Cross, used by our Brethren of Antient Egypt as a Sign of their Way or Going;  as such it is the Key of the ROTA, or Taro of Thoth.

 

When, O my Son, by means of thy Central Will,  thou shalt have expanded thy Rose of Five Petals so that it comprehends this Greater Rose whereof the Petals are Two-and-twenty,  thou  mayest  come  to  a  further understanding of the Cross which hath Four Arms, the sum of which from One to Four, being Ten, as are the Holy Sephiroth.

 

The Great Cross, of which the cross of thy being  is a reflection and minute counterpart, is again formed of Six Squares, for it, too, represents the Unfolded Cube. The Cube is matter, the Cube unfolded displays the several Elements with their Spiritual Centre. So, likewise, doth IHVH appear as God of the Elements until SHIN, the Holy Spirit, descendeth into the midst and bursteth Him asunder as IHShVH,  which is the  Name  of  the God-Man, the Redeemer.

 

So likewise is Man,  the Pentagram of  the  Elements  Crowned  with Spirit, shown with Unconquered Will on each Arm of the Cross. Thus is he Master of the Four Worlds, through cooperation with  the  Macrocosmic  or Divine World which is found Symbolized by the Hexagram below  the Great Rose on the lower Arm of the Cross, and which appears surrounded with the Sign of the Sun in the midst.

 

The extremity of each Arm of the Cross is Triple, and each triplicity is assigned to the Three Alchemical Principles in their proper combinations. Thus again we find the suggestion of Twelve  Circles, corresponding to the Zodiac or Star Universe, while the Thirteenth is concealed as a Point in their midst, and is the UNITY thereof. Thirteen is One plus Three which is Four; Four is the Number of Manifestation  in  Matter; in Matter the Three Principles (or Gunas) are ever operative, singly  as forces united as Spirit.

 

Thou has, O my Son,  the knowledge of the Invoking and Banishing Rituals of the Pentagram, whereby thou mayest control the Elements and the Astral Plane; therefore thou understandest how these Pentagrams should  be traced with thy Wand and Will, and how this formula is symbolically shown in the arrangement of the Symbols of the Elements which are shown round the Pentagrams upon the Arms of the Mighty Cross.

 

Thou knowest, too, how the Planetary Rulers, and even the Zodiacal Signs, are to be Invoked or Banished by means of the Holy Hexagram, the true arrangement of which  is also shown in this Symbol. But what of the Barbed Rose Leaves which in the Microcosmic Rose were single,  and  here  are  shown  as  Triple  in  each quarter? What of the Letters and Symbols thereon?

 

Here indeed is given the Formula whereby the L.V.X. may be drawn from the Cross, and the Key-Word found, and the Word be subtly  extracted therefrom. Without this knowledge how cans’t thou give the true Signs of thy Grade?  Let us therefore analyse the Keyword, as did our Antient  Brethren:

I.

N.

R.

I.

Yod.

Nun.

Resh.

Yod.

 

Virgo, Isis, Mighty Mother.

Scorpio, Aphopis, Destroyer.

Sol, Osiris, Slain and Risen.

Isis, Aphopis, Osiris..

 

I.              A. O.

 

Make now the Signs whereby the L.V.X. which is  the  Light  of  the Cross, shines forth, and thou hast the meaning of the Rose Leaves of thy Mystic Jewel; leaves that are Ever-Green as Life Itself.

 

And now, O my Son, go thou and partake  of  the  Mystic Eucharist, even as thou hast been taught by Those who Know. Fortify thyself, for thou hast yet a perilous journey before thee. Thou  hast  been  led  unto  the Light; bethink thee that there is yet another Rose and Cross,  the Rose of Nine-and-forty Petals—which is Seven by Seven—upon the Cross  of  Five Squares. The Mysteries of these thou wilt someday know,  but not now;  for these partake of the nature of that Great Darkness of N.O.X., the Darkness which is as the Light which is Higher than Eyesight;  the Pure Darkness of Understanding, or of the Womb of the Lady Babalon,  and the City of the Pyramids which is the abode of NEMO.

 

May thy Mind be open unto the Higher,

Thy Heart a Centre of Light,

And thy Body the Temple of the Rosy Cross.

 

Vale Frater!

o-

Read Full Post »

Conto de Natal

 

O Natal foi, durante muitos anos, uma época muito feliz da minha vida. Lembro-me da ansiedade que sentia diante dos presentes acumulados sobre o armário da cozinha, das férias escolares a espreitar na esquina, cheias de brincadeiras, das alegres noites de Natal com os meus pais, os meus avós e a minha irmã, e do dia seguinte cheio de brinquedos e de tempo, esse tempo que é sinónimo de liberdade. Agora tenho um filho com quase dois anos e gostava que passasse natais no mínimo tão felizes como os meus foram outrora. Foi encantado por estes pensamentos e recordações calorosas que decidi escrever um conto de Natal.

Conto de Natal

Ritinha, no auge dos seus sete anos, adormecia no tapete fofo da sala, ao fim da tarde, embalada pelo crepitar da lareira e o chilrear dos pássaros lá fora. Admirava cheia de alegria a árvore de Natal, ao canto da sala, que parecia flutuar acima do monte de presentes. Era véspera de Natal uma vez mais, e não queria deixar de saborear um único segundo. O entusiasmo acumulava-se com a alegria como o gelo seco com água, de forma tão intensa e expansiva que sentia o seu peito prestes a explodir. Ritinha era iluminada de vez em quando por uma imaginação sinistra. Brotavam-lhe desta sensação imagens de uma explosão de felicidade ruidosa vinda do seu peito que afugentava os pássaros, apagava a lareira, atirava a árvore e as prendas pela janela fora e deixava as paredes a escorrer carne e miolos que pareciam os pudins da ceia. No centro da sala, a boiar em litros de sangue, a sua caixa toráxica, aberta como uma concha, dava uma última risadinha.

Stella, a costureira habitual, entrou, sorridente, com duas dúzias de castanhas assadas numa bandeja. Era ela que tomava conta de Ritinha enquanto os pais estavam fora.

– Olá menina! Trouxe-lhe castanhas assadas da minha terra! Olhe que lindas!

Ritinha esforçou-se por não mostrar o seu profundo enjôo. Era alérgica a castanhas desde que nascera, e estava farta de o repetir a Stella, mas a costureira tinha uma deficiência mental qualquer que a tornava incapaz de processar muita informação, de tal forma que não distinguia um número de uma letra e votava sempre no Garcia Pereira para presidente. Era, porém, muito simpática e prestável, e só por isso merecia não ser desapontada.

– Obrigado Stella! Gosto tanto de castanhas! Ai, mas estão tão quentes! Deixa-as aí na mesa, por favor.

– Concerteza menina. Posou-as aqui, coma-as todas! Fi-las com muito amor! A sua família deve estar aí a chegar.

– Obrigado Stella!

Quando Stella saiu Ritinha apressou-se a deitar as castanhas, ainda incandescentes, pela janela fora e chegou-se mais para a lareira, porque não gostava do frio. Era por aquela chaminé que viria o Pai Natal, esse velho bondoso vindo da Lapónia, sempre cheio de prendas e de espírito altruísta. Altruísta, pelo menos, para os ricos, porque não constava que fossem dadas muitas prendas aos pobres. Em termos de justiça social o Pai Natal estava atrasado pelo menos 100 anos. Quanto mais ricos eram os meninos mais prendas recebiam, em vez de ser ao contrário, como acontecia com os impostos e outros esquemas inventados para roubar o dinheiro aos abastados.

Mas havia mais mistério ainda. Porque é que alguém com tanta riqueza a decidia distribuir, todos os anos, no mesmo dia, pelos mais ricos? Porque é que os meios de comunicação, normalmente tão moralistas em prol da igualdade de oportunidades, todos os anos apoiavam e celebravam a global injustiça desta quadra? Fazia tanto sentido como o Bill Gates fazer uma doação de milhões ao Donald Trump e toda a gente aplaudir.

Era uma quadra deveras prejudicial, pensava Ritinha, e não só para com os meninos pobres que tanto a preocupavam. Era também uma época em que se defendia o consumo alarve, mesmo aporcalhado, de doces e frituras. Desgraçados dos diabéticos e dos obesos! Coitados dos dentes de todas as crianças! Era assim, comendo como porcos enquanto desprezavam os mais pobres, que as pessoam deviam ser felizes? Porque é se pensava assim, de forma tão cavalgadura?

Nesse momento ouviu a porta a abrir-se. Julgou ser a sua família, e sorriu, mas não reconheceu o andar pesado que entrava, que devia ser de alguém com umas botas pesadíssimas a julgar pelo som. Sempre curiosa, Ritinha foi ver e teve uma surpresa que a deixou sem voz. Era o Pai Natal.

– Oh oh oh! – disse o Pai Natal um tanto atrapalhado. – Não te esperava aqui, menina!

Apesar do espanto e da agitação feliz que sentia, Ritinha recompôs-se para retorquir o mais logicamente possível.

– Também não te esperava, Pai Natal! Pelo menos já, e a entrar pela porta… Não estarás a guiar-te por um fuso horário da Lapónia? Trouxeste-me a prenda que pedi?

– Mmmm… não é bem isso. Não perceberias nem que eu te contasse tudo. É uma longa história. Só te peço uma coisa: preciso de me esconder. Não me podes fazer esse favor, esconder-me, sem dizer a nenhum adulto que me viste?

– Sim e não… Quero dizer, por minha vontade sim, escondo-te, mas a Stella já te viu. Está aí atrás de ti.

O Pai Natal virou-se e Stella, que tinha chegado em silêncio e praticamente petrificado, ficou lívida e recuou com visível pavor.

– Stella, não precisas de ter medo! É o Pai Natal! Não te vai fazer mal só porque o viste. Pai Natal, a Stella não vai dizer nada a ninguém. Mesmo que quisesse, é atrasada mental e vai esquecer-se de tudo daqui a cinco minutos.

O Pai Natal suava, com o semblante carregado, e a sua voz ganhou o som grave de quem tomou uma decisão difícil.

– Desculpa, menina, não te posso explicar agora, mas tens de acreditar em mim. Eu sou o Pai Natal, sou bom, sou pacífico e nunca minto, por isso tens de ficar do meu lado. Não posso deixar viva uma testemunha.

Dizendo isto puxou de

uma Browning P35 9mm que tinha no bolso, apontou com as duas mãos e deu um tiro certeiro no nariz de Stella. O corpo tombou e enrijeceu. Nesse preciso momento entraram os avós de Ritinha. Surpreendido, o Pai Natal tomou a única acção possível: disparar à queima-roupa contra os velhos, que também tombaram. Na rua, os tios, que tinham dado boleia aos velhotes e ainda estavam junto do carro, ouviram os tiros e ligaram para o 112. Já tinham dito a frase "o Pai Natal está a disparar contra a minha mãe" quando foram também baleados na cabeça. Rebolaram sobre o capô e permaneceram hirtos. Ouvia-se, no telemóvel, algumas admoestações da parte do 112, mas o Pai Natal desintegrou-o com um tiro.

Os pais da Ritinha, que chegavam no seu carro, viram a cena e voltaram para trás fazendo chiar os pneus. Mas era véspera de Natal e o Pai Natal estava inspirado. Dois tiros certeiros num pneu fizeram o carro capotar e incendiar-se. Presos entre os air-bags e os bancos, envoltos em grossas roupas de inverno e amarrados com os cintos de segurança, os pais da menina foram rapidamente consumidos pelas chamas.

Ritinha bateu com a cabeça no chão para poder acordar daquele pesadelo, mas tudo o que conseguiu foi um hematoma. O Pai Natal voltou para casa, guardou a pistola no bolso e fechou a porta. Um pouco atrapalhado, perguntou:

– Importas-te que fume um cigarro?

Sem parar de tremer, a menina acenou a cabeça.

– Obrigado. Compreendo que estejas nervosa. Eu próprio não sou capaz de ficar calmo. Não vou ficar muito tempo, é só até… Bom, é uma longa história. Mas como te causei tanto transtorno mereces ouvir a verdade, se quiseres. Sentemo-nos ali, junto da árvore de Natal.

Ritinha tinha o cérebro gelado. O pouco que ainda funcionava dentro da sua cabeça dizia-lhe que podia ser perigoso contrariá-lo e sentia ao mesmo tempo curiosidade pela história. Como um robô, foi atrás dele e sentaram-se junto da árvore. E o Pai Natal começou a contar a sua história:

– Sabes, menina, como todas as coisas antigas, o Natal é uma mentira com um fundo de verdade. Nem a árvore de Natal foi inventada por S. Francisco de Assis, nem o Pai Natal foi criado pela Coca-cola. Foi Deus Todo-Poderoso que criou o Natal e os seus símbolos, aproveitando antigas festividades pagãs pelo tempo do solstício de inverno. E porquê? Porque a moda do ateísmo transformou o mundo num lugar triste e sombrio, sem fantasia e grandes promessas, e são necessárias efemérides, festas, ocasiões, eventos, o que quiseres que se marque no calendário, para os Homens se lembrarem do que é essencial.

Ritinha não conseguia parar de tremer. Lá fora sentia-se movimento, apesar do silêncio. Indiferente, o Pai Natal continuava, entre baforadas de fumo, a contar a verdadeira história.

– Deus teve uma boa intenção, mas não sabia bem o que fazia. Eu acredito Nele. É bom, absolutamente bom. Mas os seus caminhos são demasiado sinuosos. Para Deus é uma chatice andar em linha recta para chegar a um sítio. Tem sempre de fazer curvas e contra-curvas arriscadas e desnecessárias, e isso não percebo porquê. – o Pai Natal fez uma pausa. Os seus olhos fitavam o infinito, flutuando sobre recordações dolorosas. De repente, como num despertar sobressaltado, voltou a tirar a arma e lançou um enorme grito: – Não percebo e revolto-me!!!

Assustada, a menina fugiu para a porta da sala, mas ao lembrar-se que a criatura estava armada parou e disse que se tinha lembrado que estariam melhor com música ambiente. Escolheu à pressa a Oratória de Natal de Bach e voltou para junto do velho, que prosseguiu:

– Pois bem, Deus criou o Natal e os seus símbolos, e também milhares de pais-natal. Sim, menina, eu não sou o único. Foi criado um verdadeiro exército para distribuir prendas, cada um para uma determinada secção do planeta. Não somos imortais, mas duramos muito mais do que um humano. Fui eu que dei as prendas aos teus avós que estão ali caídos, quando eram crianças. Ainda me lembro do seu sorriso! Bom, e para nos ajudar a comprar e a empacotar os brinquedos foi-nos dado um exército de duendes da Lapónia, porque têm mãos pequenas e não precisam de dormir. É mais ou menos como se vê nas histórias, mas sem poesia. Eles servem como escravos e trabalham todas as horas do dia sem descanso. Se param levam com bastões eléctricos. Se fogem são lentamente dissolvidos em ácido diante de todos, para dar o exemplo. Nesta área a qualidade é levada a sério, bem como a disciplina.

– Coitadinhos! – Ritinha começou a chorar.

– Não chores, menina! Durante muitos anos executei estas tarefas e fui o mais feliz dos pais natais existentes na Terra. Sabes porquê? Porque depois de entregar as prendas via pelas janelas a reacção das crianças. Os olhos das crianças não mentem. São um fascínio que fascina por contágio, aqueles olhos felizes e puros! Vês as minhas lágrimas, menina? São de felicidade, só por sentir um bocadinho do que sentia naquele tempo. E se não tivesse olhado para mais nada hoje ainda era feliz da mesma maneira.

– N-não entendo…

– Eu adoro crianças. Sempre adorei. Amo, também, a igualdade, que para mim é a única justiça que pode existir. Mas descobri que a terra do Pai Natal estava enterrada na corrupção até às barbas, e que a última coisa que lhes importa são as crianças e a justiça. Aos poucos, menina, fui tropeçando nos podres da Lapónia, em tantos que a certa altura tive de fugir do seu cheiro fétido. Repara bem: com o tempo, os pais natais foram aceitando subornos para servir os mais ricos e poderosos. Dinheiro, renas, droga, prostitutas, aceitam tudo! E só quando são pagos é que aparecem e entregam os presentes.

– Mas então é por isso que quanto mais ricas são as crianças mais e melhores prendas elas recebem!

– Aí está. Porque isto é uma corja, uma máfia. Com o passar dos anos foram-se organizando cada vez melhor. Agora a Lapónia tem um exército literal de pais natais bem armados, que protegem os seus interesses a qualquer preço. Ideais, bondade, espírito natalício, são coisas do passado. Tudo isso foi substituído por sede de poder e crime organizado. Eu aguentei tempo demais sem dizer nada. Tinha de vir cá para fora avisar o mundo e devolver o verdadeiro espírito a esta santa época. Tentei reunir provas mas descobriram-me e tive de fugir sem elas. Agora sou procurado e se me apanham não vou viver muito mais tempo. Mas não me importa morrer por uma boa causa. É preciso é avisar o mundo. Para isso, menina, preciso da tua ajuda!

– E-eu? Porquê eu?

– Estava a fugir quando me cairam castanhas incandescentes em cima, aparentemente atiradas de uma janela desta casa. Apesar de ter doído interpretei isso como um sinal de Deus. Eu sou a sua mão na Terra para fazer o Bem, sabia-o antes e então tive a certeza. Não sabia como, quando bati à porta só pensava em esconder-me, mas depois elaborei um plano. Eu preciso de alguém que acredite em mim e espalhe a mensagem, na escola, nos meios de comunicação, em toda a parte. Como Pai Natal não tenho credibilidade para aparecer numa televisão a falar de coisas sérias, ainda por cima sem provas. Falar com adultos não adianta: os ricos acreditam nos pais natais, porque os subornam, e os pobres não acreditam neles porque nunca os vêem, e se virem chamam logo as autoridades. Só as crianças acreditam em mim! Por favor ajuda-me! Ajuda todas as crianças do mundo a terem Natal todos os anos, o verdadeiro e maravilhoso Natal!

Ritinha ia dizer que faria o possível, embora sem saber bem o quê, quando um estrondo enorme abalou a casa. O candeeiro da sala ficou a balouçar e alguns quadros cairam. Olhando pela janela a menina avistou algumas dezenas de pais natais armados a cercar a casa. Lá fora um deles gritou com voz forte através de um megafone:

– Isto foi só um aviso, Pai Natal 532134! Deixa sair a refém e entrega-te com as mãos atrás do barrete!

– Malditos! – grunhiu o Pai Natal ao espreitar pelo canto do vidro – Estamos cercados! Pensava que descobrissem, mas não tão cedo! É véspera de Natal, caramba! As duas únicas prioridades da polícia são a cerveja e as frituras, e os pais natais deviam estar a entregar prendas! Mas alguém avisou estes palhaços e agora só tenho uma hipótese. Menina, bem podes torcer-te com remorsos! Foi por causa da tua família que o Pai Natal se desgraçou! Pensa bem nisso se um dia não receberes prendas. – ao dizer isto deu um tiro na boca, pintando a parede.

Nesse momento a porta de entrada rebentou e entrou uma força militarizada de pais natais vestidos de colete anti-bala e armados com carabinas M4 capazes de debitar 700 a 950 disparos por minuto. Ritinha deu conta que tinha as pernas molhadas. Estava quase em choque. Mas assim que os pais natal viram que a ameaça estava terminada baixaram as armas e um deles aproximou-se da menina com muito cuidado, sorriu amistosamente e falou-lhe numa voz suave.

– Menina, já passou. Não fiques nervosa. O 532134 era um Pai Natal instável e doente. Agora que foi eliminado será atribuído um novo a esta zona e isso será feito a tempo da Consoada, portanto não tens nada a recear.

Ritinha ficou na mesma. Um outro Pai Natal aproximou-se deste com ar grave e segredou-lhe qualquer coisa ao ouvido que lhe transformou o rosto, dando-lhe algum pesar. E disse:

– Como pude ser tão insensível, eu, a falar da Consoada a uma menina que acaba de perder toda a família! É óbvio que não ficarás feliz. Mas a esperança nunca se perde. Olha, menina, nós temos um contacto próximo com Deus Nosso Senhor e podemos, em casos raros e muito bem justificados, interferir no curso normal das coisas fazendo recurso a milagres, principalmente quando o curso normal das coisas é alterado por nós. Mas isso exige alguma burocracia, há necessidade de relatórios, provas, investigação, e há muitos casos em fila, portanto eu vou deixar um formulário contigo e tu preenche-lo até à meia-noite, altura em que virá o Pai Natal desta zona e o levará consigo depois de te deixar a prenda, está bem? Se o processo for aceite, a tua família será ressuscitada e a casa reconstruída, será como se nada se tivesse passado. Numa perspectiva optimista só terás de esperar 10 a 15 anos para que tudo seja processado. No pior caso 25, 30, quem sabe.

Ritinha tremia cada vez mais e não aguentou. Começou a chorar. Os pais natais olharam um para o outro e sorriram.

– Oh oh oh! Estávamos a brincar contigo! As crianças enganam-se tão facilmente. Como sofreste tanto vamos abrir uma excepção: não precisarás de esperar pela meia-noite! Aqui está a tua prenda!

E deram-lhe uma grande caixa que continha a super roulotte da Barbie. Ritinha segurou-a e ficou a olhar pasmada para ela. Não percebia nada.

– Oh oh oh! É a tua prenda, menina! Não foi o que pediste para o Natal? Aí tens. Olha, estás a ver? A roulotte abre e tem lá dentro uma sala, uma cozinha e tantos utensílios para a Barbie. É uma excelente escolha, se queres a minha opinião! Muitas escolhem a Barbie Bela Adormecida, ou a Fada Purpurina Rosa, que são um terço do preço. Pronto, e agora que resolvemos o problema, vamos embora, para teres oportunidade para brincar. Diz-nos só se queres que se cremem ou enterrem os corpos. Não, deixa estar, não deves estar com cabeça para isso, com a prenda nas mãos. Ai, as crianças… Vamos!

Depois dos pais natais irem embora tudo ficou calmo. A lareira arrefecia apagada e os pássaros dormiam nas árvores. O tapete jazia sujo de sangue e já não era tão fofo. A sua vida estava um caos e não lhe apetecia fazer limpezas. Permaneceu sentada no tapete à procura de um pensamento milagroso que lhe desse ânimo. O pensamento de que o Pai Natal existia mesmo não era reconfortante. Era melhor que nunca tivesse existido. Buscando nas sombras encontrava-lhe, porém, uma virtude. Na maioria dos dias do ano não havia Natal, e tudo o que antes lhe parecia mau, lá fora, agora parecia-lhe delicioso, e até mesmo justo. A fome, que tanto a preocupava, os doentes, os velhos abandonados, as crianças sem prendas, nunca teriam nada a ver com a Lapónia e por isso eram afortunados. Até as castanhas assadas lhe pareciam agora uma iguaria. Ritinha decidiu que quando crescesse queria ser pobre e andar a mendigar pelas ruas, tremendo de frio e, se possível, alimentar-se de restos e andar sempre com fome. Tendo tomado esta decisão esborrachou a roulotte contra a árvore de Natal, desfigurando-a. Depois foi para o seu quarto, partiu todos os brinquedos com um martelo, rasgou as roupas e saiu para a rua. O vento frio fê-la sorrir.

 

Read Full Post »

A pedido de muitas vítimas do tédio, a parte didática deste blog finalmente chegou com dicas surpreendentes para quebrar a monotonia.
 
Dica número um: a clássica bomba de gelo seco.
 
Descrição: estar aborrecido é geralmente um estado de alma negativo provocado por uma excessiva ausência de explosões. Comprar granadas e dinamite sai caro, para além de ser proibido e difícil de achar, e tu estás demasiado aborrecido/a para fabricar pólvora. Mas não te suicides já. Há uma solução para o teu caso: a bomba de gelo seco:
 
Ingredientes:
– Garrafa de plástico;
– Água;
– Gelo seco.
 
Como fazer:
– Enches mais de metade da garrafa com água quente ou morna;
– Enches o resto com gelo seco (dióxido de carbono em estado sólido);
– Tapas bem a garrafa e afastas-te; a pressão dentro da garrafa vai subir rapidamente e fazê-la explodir.

Read Full Post »

Grande entrevista com o Mestre

 
O mestre em alta. Onde diz que não quis a internacionalização porque preferiu ficar a viver com a família, o cão e o gato, em vez de viver num túnel de ouro, e pede uma vez mais para não o confundirem com o Elton John.
 
Sobre o último álbum da Madonna, diz o mestre:
 
«Não gosto nada do último álbum da Madonna. (…)
Acho fatal. Mas pronto, hoje também se consegue promover um cagalhão e dizer que é perfumes, mas eu não tenho culpa, eu continuo a dizer que é um cagalhão, e vou continuar a dizer.
Não gosto nada! [com asco]
Aliás acho que o marido dela também não gosta.
Mas eu gostava de ser o marido dela.»
 
 
Compara-se ao John Lennon por se ter despido quase completamente, e ameaça despir-se completamente em nome da protecção da música portuguesa nas rádios, ele e mais 30 ou 40 colegas, num estádio ou num teatro.
 
 
"Houve períodos da minha vida em que escrevi canções que sabia que não podiam ser levadas a sério."
José Cid

Read Full Post »

Piada cristã

Estava Jesus Cristo pregado na cruz, dentro de uma igreja, e de repente vê um luso-africano ajoelhado à sua frente.
 
E diz-lhe: – psst! Olha, és capaz de me tirar esse prego dos pés?
 
E o luso-africano responde: – iiisclaro. E tira.
 
Então Jesus dá-lhe um pontapé na boca. – Fora daqui! Não quero pretos na minha igreja!

Read Full Post »

O Paradoxo da Beleza

"O wonder!
How many goodly creatures are there here!
How beautious mankind is!
O brave new world,
That has such people in’t!"

"A Tempestade" – Acto V, Cena I – W. Shakespeare

 

A felicidade é como a música. Uma melodia entretém a alma com uma beleza que exagerando dizemos, por vezes, "não ser deste mundo". Assim é também na vida quando temos beleza: parece que vivemos noutro mundo. Assim é em toda a natureza: uma paisagem tropical, um pôr-do-sol, um rio a correr, invocam que há em nós de transcendente, como se recordássemos um outro mundo de beleza imortal. Como se Platão tivesse razão e antes de sermos homens tivéssemos sido deuses, com acesso às maravilhas divinas.

Como, então, não se ser assombrado ao afastar o véu da beleza e assitir àquilo a que chamamos "mundo real"? Seja pela filosofia, seja pelo desastre, esse véu desfaz-se mais tarde ou mais cedo. Mais tarde ou mais cedo perguntamos quem está a tocar aquela melodia, e como, e com que instrumentos, quem a compôs e porquê – e percebemos que afinal é humana, demasiado humana. As suas razões, entendemos, são mesquinhas. Descobrimos que o compositor era comunista, ou jacobino, ou necrófilo, e que a obra é o meio que tinha disponível para afirmar ao cosmos as suas depravações; desvendamos que o solista cospe para o chão e brama como um animal nas assembleias do Benfica; que a rapariga com voz de deusa já fez toda a orquestra metropolitana, que a flauta transversal já serviu para fins contra-natura, que o maestro vê a "Praça da Alegria" todas as manhãs.

Sabendo isto ficamos pasmados, sem perceber como é que tanta mesquinhez e depravação junta pode criar algo como música, a mesma música que não sabemos identificar mas que a alma insiste em designar como superior a nós e à lei do tempo.

Mas vamos supor que não temos muita curiosidade ou atenção. Acreditemos que a felicidade resulta do casamento entre a ignorância e a má memória (tese segundo a qual o ser mais feliz do planeta é o João Soares). Acreditemos, depois, que no meio de toda a nossa aparvalhada felicidade se parte uma corda do violino: as notas, que eram antes melodia, passam a ser apenas notas – uma hedionda diarreia de notas. Verificamos, menos alegres, que a música imortal é afinal tocada por instrumentos que se partem facilmente, ou por instrumentistas que desafinam. Em suma, que está sujeita a limitações físicas e corriqueiras.

"A Arte tem pés de barro!", protestam estes. "A Imortalidade é mortal!", vociferam aqueles. "A Beleza é feia!", esperneiam outros. Talvez isto nos remeta ao Concílio de Trento, quando se debateu com seriedade se Jesus de Nazaré urinava e defecava. Ou a uma questão mais dos nossos tempos: soltará puns uma top model? São questões que geralmente nos passam ao lado, mas que têm raiz no paradoxo da beleza: tão facilmente se imagina Jesus a largar o tronco numa cloaca como a Claudia Shiffer a estrondear hidrocarbonetos numa passerele. Não faz sentido, e no entanto sabêmo-lo provável. Nos sinuosos caminhos da nossa alma, o Salvador da Humanidade não tem esfíncter. No caso das mulheres belas a maioria dos homens, pelo menos, não as consegue imaginar sem esfíncter, mas imaginam que as suas bufas cheiram a Jadore. E assim o absurdo vai imperando sobre a realidade, porque a realidade, em si, é demasiado absurda, e se pensamos demasiado nisso tornamo-nos existencialistas.

A beleza é assim. Agora, para fazer uma ligação subtil ao início deste texto, a felicidade, na vida, também é assim. Estamos felizes e depois somos atropelados ou despedidos. Por muito que tentemos ignorar o absurdo da realidade, ele é real e mais tarde ou mais cedo, pelos rasgões da filosofia ou do acidente, lá surge, grotesco e bárbaro, sob o "manto diáfano da fantasia", coisa que nos parece muito absurda e injusta, e não consta que o omnicreador tenha livro de reclamações. Para ele "estar vivo" parece ser sinónimo de "crueldade". Por outro lado a felicidade, quando chega novamente, consegue eclipsar tudo outra vez, sem que tenhamos controlo sobre as nossas emoções e raciocínio. É como um jogo de ténis e nós somos a bola, sendo apenas atirados para um campo e para o outro. Humilhante.

Lembro-me de uma noite na República Dominicana; estava escura e chuvosa, e cheia de relâmpagos que tanto caíam na terra como passavam de nuvem para nuvem. Um estimulante espectáculo para quem gosta de raios, como eu. A certa altura começou a chover a sério, o que fez toda a gente recolher-se nos seus bungalows e no hotel. Para mim foi a oportunidade de ter um pouco de paz. Aquela porcaria do Macarena, que era o que se tocava e dançava ad nauseam na altura, já me fazia vomitar, portanto levantei-me da cadeira e fui para a praia. Era preferível arriscar um raio na cabeça do que ouvir o Macarena novamente.

A areia estava cheia das crateras dos pingos, que caíam com força. O mar era uma mancha negra que se fundia com o céu, e só se via a espuma das ondas perto da praia, não pela Lua mas por causa das luzes, agora distantes, do resort. De poucos em poucos segundos caía um raio sobre o mar, ou passava no céu, e iluminava nuvens e água. A cada raio o céu era outro. Às vezes caíam muito perto, etroavam como se explodisse uma bomba e o chão tremia. O vento soprava forte, tão forte que dobrava os coqueiros. Era infernal. Aquela paisagem era o oposto da paisagem diurna de há poucas horas atrás, sem vento, cheia de sol e de cor e de água cristalina – e era, no entanto, o mesmo sítio, com as mesmas coisas.

Isto é um exemplo "light" para dizer que o Paraíso e o Inferno ficam no mesmo sítio. No mesmo universo, no mesmo planeta, na mesma criatura. Foram criados pelo mesmo deus. Mas não suportamos esse paradoxo neste "novo mundo" hedonista. É mais fácil, mais são, separar sem questões o bom e o mau, o belo e o feio, o feliz e o infeliz, e dizer que este lugar é belo, aquela pessoa boa, aquele animal feliz, aquela música imortal sobre o acidente terreno.

 

Read Full Post »

Older Posts »