Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Janeiro, 2012

A felicidade está para a vida como a vida para a morte. Estamos mortos uma eternidade mas, num brevíssimo período, como se despertássemos de um coma, nascemos, a vida abre-se como uma flor ao Sol e promete coisas magníficas. Rapidamente gostamos do mundo.

E depois vamos progressivamente percebendo que tudo é breve e retornará inevitavelmente ao seu estado natural, que é a morte eterna. Vemos que fomos enganados e não estamos preparados para isso porque o instinto da vida, esse misterioso fogo, não é coisa que se apague facilmente. Olimpicamente resistimos.

Condenados à ilusão trocamos os passos e caímos até ao entendimento de que nem passos havia. O que era antes estrada e arbítrio é agora um rio que nos carrega. Vamos embatendo nas pedras sempre com a consciência aguda de que só pela mentira nos podemos, não salvar, mas aguentar a viagem. É nesse pequeno e ridículo percurso que os deuses nascem, as morais ensinam e a arte floresce.

E não há nenhum “mas” que nos ajude. É somente assim. São mais felizes os que se iludem, aqueles cuja vontade fundamental de viver fala mais alto do que os outros argumentos. Fala, porém, pouco tempo, e nada do que diz ecoa no universo, nenhuma palavra nega o absurdo.

Anúncios

Read Full Post »